Linha do Tempo

Do Grupo Biguá ao Projeto IPH, 10 anos de história...




O Grupo Biguá de Educação Ambiental foi criado em março de 2003, por iniciativa de alunos e professores dos cursos da área da saúde (atual Escola da Saúde) da Universidade  Municipal de São Caetano do Sul -  USCS, o então Instituto Municipal de Ensino Superior – IMES.






A constituição do Grupo Biguá se deu por uma demanda do Programa Mãos à Obra pelo Tietê. O Programa foi em 2002, quando a Fundação SOS MATA ATLÂNTICA assinou um convênio com a SABESP (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo ) para desenvolver o Programa de Educação Ambiental e Mobilização Social que integrou a segunda fase do Projeto Tietê, desenvolvido pela própria SABESP, com o objetivo de reduzir a carga poluidora do Rio Tietê. O Programa criou a possibilidade de promover o engajamento dos cidadãos e o monitoramento permanente do Projeto de Despoluição e  qualidade ambiental das sub-bacias hidrográficas do Rio Tietê, por meio da atualização e adaptação da metodologia do Projeto Observando o Tietê. O Programa Mãos à Obra pelo Tietê articulou, formou, capacitou e ainda mantém aproximadamente 300 grupos de monitoramento na Bacia Hidrográfica do Alto Tietê, que atuam para que a recuperação da qualidade ambiental das bacias hidrográficas se consolide em ações de cidadania. (mais informações sobre o Programa Mãos à Obra pelo Tietê visite o site: www.rededasaguas.org.br).



      


Desta maneira o Grupo Biguá de Educação Ambiental constituiu-se como um dos 300 grupos de monitoramento do Programa Mãos à Obra pelo Tietê.
O Objetivo inicial do Grupo Biguá era apenas realizar o monitoramento da qualidade da água do Rio (Córrego) dos Meninos, em sua foz, como proposta inovadora do processo de educação ambiental e mobilização social para a questão da problemática do esgoto e da qualidade da água que é lançada no Rio Tietê.
Para que este monitoramento ocorra são realizadas  coletas e analises mensais  das águas deste ponto do Rio dos Meninos  e os  parâmetros analisados são físico-químicos e  microbiológicos. As analises são feitas com um kit fornecido pelo Programa Mãos à Obra pelo Tietê.
O Grupo Biguá era formado  apenas por discentes dos cursos da saúde da USCS, dirigido pela Profª. Marta Angela Marcondes e coordenado pela Bióloga Fernanda Amate  (atualmente fazendo parte do programa de professor voluntário da USCS).






Com a possibilidade de agregar pessoas, ideias e ações, além do monitoramento que é feito desde 2003, o Grupo Biguá realizou uma série de atividades de mobilização social, descritas abaixo:

Mutirão de Conscientização 






Júri Popular



  


Reviva o Tietê








Ciclo de Seminários para discussão da lei especifica da Billings 

Rio Grande da Serra







Ribeirão Pires




Mauá




Santo André





São Bernardo do Campo





Diadema




São Caetano do Sul




Manifestação contra a reversão do rio pinheiros para a represa Billings








Encontro Estadual de Educação Ambiental








Continua... Aguardem!

Atenção: Todas as informações contidas neste blog são proibidas de reprodução sem autorização dos responsáveis.

Receba as postagens automaticamente no seu email, Cadastre-se!